Aos Meus Velhos Amigos…

4 ago

O ferro frisa a ferida

No Frio

O Asfalto forja Fragmentos

Sem se flagrar

Que ali ficaram

Partes do que já passou,

As folhas que ficaram

Se consomem com o tempo,

Com o vento, e com o Sol,

O inverno é tardio e frio,

Mas nunca se esquece,

O que nos aquece.

Devaneios de um louco

Que fala sozinho,

Como uma flor sem espinhos

Em meio a roseiras.

Distinção de quem

Abre o coração

Faz uma oração

E não se importa com

As coisas que se vão.

Mera ironia

Que se repete

Noite e dia

Dentre colapsos

E pensamentos escassos

O vinho e o violão

Que raramente vão voltar

E comoventes histórias

Que ninguém vai se importar

Mérito merecido

Em um vago pensamento

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: