Arquivo | julho, 2013

Ampulheta Quebrada…

27 jul

Um passo, um olhar

Tudo me dizia que não

Meu coração saltado pela boca

Me dizia que sim.

Felizmente, há algum tempo

Aprendi a não escutá-lo sempre

Quase volto algumas páginas

E não sei se seria o sensato a se fazer

Talvez tenha acertado,

talvez tenha sido um erro

E nem sei ainda se o erro foi meu,

Se fosse um beijo,

Quem sabe hoje o que seria de mim?

Se fosse  um desprezo,

Quem sabe o que seria de nós?

Talvez as coisas somente sejam

Como elas são

Talvez não aja nada

Que a gente possa fazer

Faço-me forte

Como sempre tentei

Hoje, bem mais do que eu já fui

Mas ainda não descobri

Se ser forte é bom ou ruim

Semente 2 (razão do existir)

25 jul

Uma luz que eu temia nunca alcançar
Veio até mim na forma de um susto
Agora tudo muda
Como não mudaria

 Minha muda, muda minha
Amor incondicional
Me ensinou mais sobre mim
Do que eu jamais descobri
Seus traços
Tão semelhantes aos traços meus
E sua mão agarrada ao meu dedo
Fez pela primeira vez,
Meu coração bater com algum sentido
E o meu eu desajeitado
Contigo nos meus braços
Me fez temer por alguns minutos
Sigo o mesmo, mesmo tendo mudado
E não mais a esmo
Sigo agora
Com um motivo pra abrir os olhos e sorrir
Todos os dias, pelo resto do meu existir

Laisa Gabriella

Do carvalho ao veneno…

4 jul

Meus olhos vermelhos
A noite pequena
Um frio tão intenso
a luz do luar
um uísque barato
num copo quebrado
procuro a minha alma
onde não posso encontrar,
de amores e de conselhos
Eu estou cheio,
Meios termos, meias horas,
Meia vida
E o meu velho drama
É embalado pela mesma
Balada melancólica de sempre,
A verdade é que de Lenons
E venenos o mundo está repleto,
Não sei oque é absurdo
Seria isso correto?
Um mundo onde o mesmo
Amargo da boca
Te resseca, te agonia
E a mesma morte
De toda noite
É a que te faz não ressuscitar
Eu quero a sorte
Mas já não sei diferenciá-la da morte
E mesmo que soubesse
Não as tenho
Me faço poeta
Pra disfarçar
Os fracassos
Disfarço o fracasso
Maquiando-o com o sucesso
Nada que tenha muito nexo
Roubo de mim mesmo
A oportunidade
Que tenho todos os dias
E mesmo assim
Eu não mereço o meu perdão