Arquivo | POesias RSS feed for this section

Semente 2 (razão do existir)

25 jul

Uma luz que eu temia nunca alcançar
Veio até mim na forma de um susto
Agora tudo muda
Como não mudaria

 Minha muda, muda minha
Amor incondicional
Me ensinou mais sobre mim
Do que eu jamais descobri
Seus traços
Tão semelhantes aos traços meus
E sua mão agarrada ao meu dedo
Fez pela primeira vez,
Meu coração bater com algum sentido
E o meu eu desajeitado
Contigo nos meus braços
Me fez temer por alguns minutos
Sigo o mesmo, mesmo tendo mudado
E não mais a esmo
Sigo agora
Com um motivo pra abrir os olhos e sorrir
Todos os dias, pelo resto do meu existir

Laisa Gabriella

Anúncios

Labirinto…

25 jun

Os Estilhaços de outrora
Voltam e me cortam a sola dos pés
Impedindo-me de correr
Impedindo-me de morrer
Sempre que me mato
Me maltrato
Meu rosto ressecado pelo frio
Já é tão vil quanto outros
tantos que eu já julguei
e hoje sou mais fraco
muito mais fraco
do que já me considerei.
Alguns acordes surrados
No meu velho violão
De tinta desbotada,
São minha única fuga
do mundo real
a voz fica rouca
os dedos doem
e cá estou eu novamente
no inferno que eu mesmo criei.
Do qual não aprendi a sair…

Cubo Mágico…

9 jul

Eu canso de alertar

Não estou pra brincadeira

Quem me dera ter ficado

No mundo onde tudo era

Brincadeira, mas não

Sou agora homem

E não preciso ficar de bobeira

Você não sabe o que quer,

Por favor, só volte quando souber

Não cheguei aos céus

Nem pulando amarelinha

E sabia que não ia ser fácil

Mas você dificulta as coisas

E ainda me diz que estou errado

Não tenho paixões mal resolvidas

Nem rastros do meu passado,

Seu passado sim me persegue

Te persegue, ou você é quem o persegue,

Disso ainda não sei…

Mas tanto faz, já não sei o que fazer

E você parece nunca ter sabido…

 

 

Queimadura de Gelo…

2 jul

Não invente diferenças
Entre homens e meninos
Eu conheci a maturidade
E a imaturidade,
E te digo que elas não andam
de mãos dadas
Não me diga que está morrendo
O que você faz
É pagar o preço por viver
Todos tem sua sina
E ninguém merece o céu
Não me atire mentiras 
Elas cortam como cacos
De vidro de uma garrafa vazia
Estou na linha entre o velho
E o novo testamento,
E olhando pra trás
Percebi,
Que não há como viver
Sem morrer aos poucos,
Me mato toda noite,
E a cada morte me faço 
Mais forte…

Gritos do Silêncio…

20 jun

Adoro o seu sorriso

E amo saber quando é pra mim

Gosto muito dos seus lábios,

Dos seus olhos de encontro aos meus

Te peço paciência

Venho vindo calejado

De terras ingratas

Te peço que acalme a minha alma

E que entenda o quanto te desejo ao meu lado

Entre risos, eu fazendo você falar “erado”,

Seu rosto é a primeira e a última

Coisa que avisto em meus dias,

E te agradeço tal privilégio.

Sempre me achei bom com palavras

Mas pareço ter desaprendido a expressa-las

Peço que entenda

E que possa estar ao meu lado

Entrei sem bater,

E sequer pedi licença

Mas preciso da sua presença

No passar das horas e das semanas

Preciso de ti…

Meus Velhos, Novos Versos

3 maio

E o meu eu se confunde

Com uma estranha imagem

No reflexo da vitrine

Nem sempre me reconheço

Entre histórias e tormentos

Mas as mesmas canções

Estão sempre passando

Pela minha cabeça

O meu sorriso meio torto

Me confunde entre o bem e o mal

Sinto frio e pelo que entendo

Meu medo também me causa arrepio

Estou sempre falando mesmo quando não devo

E falo mesmo que tenha de ficar calado

Tento não ficar parado

Mas nunca saio do lugar

Hora de provar novos ares

Os mesmos ares que

Já foram velhos

Nada que seja mistério

Ou que pareça bajulação

Palavras cruzadas,

Uma xícara em cima da mesa de canto

Acordar no sofá com muito a se fazer

É cedo, mesmo sendo tarde,

Nada de alarde

Todo dia é um dia diferente,

Todo dia é um dia diferente…

 

Caco de Vidro…

16 abr

Pé sob pé

Palavra sob palavra.

Um Mar de rosas

Vira um mar de água fria

E os olhos querem o que não se pode ter

O que jamais chegaram a ver.

E o que se está quase em paz

Volta a ser somente solidão

Talvez seja verdade que bons meninos

Não existam,

E que o que eu pensava ser

É apenas cópia do que me

Disseram que eu devia.

Meu céu é sempre estrelado

Mas de que adianta?

Os dias e as noites

Não parecem nada bons

E meus olhos cegos

De um poeta louco

me confundem toda a vez…